quinta-feira, agosto 31, 2006

PMP Certification - More Lessons Learned ( LL )

Welcome to secret order of PMP (you can always spot us because we spell "PMP" backwards)

I've already written a LL file, but in portuguese ... This time I'll write a LL file but in english, so that everyone can use it. I'll try not to repeat myself for those of you who do speak and read portuguese ... On this new approach I'll also try to go deeper.

1 - There is no such thing as a right Method in terms of studying for the PMP- My moto : suit yourself, know yourself.

2 - First minutes in the room : I prayed to all known Gods for about 10 minutes and then entered the hall. I was calm, cool and collected. After the GTBC experience, I was like, in a "C'mon, PMI, stop me if you can" kind of attitude, and before 15 minutes, had come down crashing to earth :). The first few questions were smashing hard, and I thought "HUBRIS!"

3 - I quickly realised that I could not spend too much time with each question so I quickly ignored the questions I couldn't answer in less than 30 sec.'s. This helped as there were quite a few easy questions later, and before 2 hours, I had finished browsing through the 200 questions once, and about 70 of them were marked. I went through one more round and now I wasn't sure only about 30 questions. Then I went through a third round - and this time I had answered all questions.
By then, about 3 hours had elapsed. I still had 1 hour. So, took a break, came back and revised once, twice, thrice all the 200 questions. Finally, 10 minutes before the clock was due to stop, I collected my wits and pressed the "End" button. 30 seconds of suspense later, much to my relief, there was the "Congratulations" message. All's well that ends well.

4 - There are a lot of questions that are " Unbelievably " situational, you can just select 2 or three " best " answers and might have many arguments supporting your answers based on experience, knowledge.

5 - Well...200 questions are a big task..so, staying focused was probably the main challenge.

6 - Also, in all questions that you are not sure of, the approach to go with should be POE (Process of Elimination). This seems to simplify things in many cases.

7 - I actually completed the exam in 3 hours but that's just me. If I stare a question for too long, my teeny-weeny brain goes for a roller coaster ride and all choices start looking fine to me. So, I had decided to pretty much (in most of the questions) go with the first option that looks and feels right to me. This approach seems to have worked ok for me.

8 - It is important to know why a particular answer is right and why the others are wrong and moreover you should be able to visualize that if a particular option/word is mentioned/omitted the right answer could change.

9 - PMP exam requires considerable project management experience, a thorough understanding of PMBOK, grasp of project management processes and knowledge areas.

10 - Key to understanding of PMBOK is to relate your project management experience with PMBOK processes & knowledge area ( THIS IS EVERY IMPORTANT ! ).

11 - Questions are from real world scenarios. Definitions, processes & knowledge areas, require thorough understanding of question and their context. If you are not able to answer any question, skip and answer them at the end. Expect questions on certain aspects not covered in PMBOK. Properly time your exam so that you have time for review of marked or unanswered questions.

12 - Understand each process in terms of inputs, T&T and outputs clearly - as in - some processes use alternate T&T even in real-life situations (ie) If PMBOK mentions 5 T&T for a particular process, in real-life, you'll probably use one or 2 of them in a particular project in real-life.
Example:
T&T for Activity Sequencing:
PDM or ADM - highly unlikely that you will use both for the same project ( I never did ! On Y2K project I almost used two ...).
Some others are like meant to be used sequentially in the same project :
(e.g) T&T for Quantitative Risk Analysis -
1) Data Gathering and Representation techniques and 2) Modelling Techniques.
If you are doing Quantitative Risk Analysis in a project, you are most likely to use the first T&T to get the data representation probabilities distributions AND THEN follow it up by using the second T&T to generate Monte Carlo simulations or Decision Trees using the output got by applying the first T&T.

This sort of understanding puts you in good stead during the exam.

13 - ITTO - I did not try to memorize them up since it was not my cup of tea. I tried to logically remember what happens in each process, focusing on Scope, Time, Cost, Quality and Risk. I wouldn't bother memorizing ITTO's for every process but yet understanding the logic behind them. If you do that you'll be able to figure out when asked. Besides it's a pain in the neck !
14 - Application of the PMBOK knowledge and process interactions are thoroughly tested in the exam. So embrace for scenarios that can totally cloud your decision making if you are shaky.

15 - To give you a couple of example scenarios think about this, "you're a PM and your client is not accepting the deliverables and repeated meetings with the client have not yielded a resolution to this and is affecting other areas of the project, what should the PM do next ?" (Choices: modify acceptance criteria, present with a scope change, inform customer it is affecting other areas of the project so unless this is resolved the team can't move further, review the quality plan)
or
"you're the sponsor and the PM has escalated an unresolved minor conflict to you, what conflict resolution method will you primarily use?" (so understanding the conflict resolution methods alone is not gonna help. You need to understand how /when /where these should be used and what takes precedence over what, basically the same protocol applies to all the areas in PMBOK)

This type of understanding/learning is sure to get you across the bridge.

16 - It really felt great, believe me. It was a tough challenge, and though I went in with ultra-confidence, I was brought down to earth by PMI's well-thought out challenging questions, which really need you to have experienced situations as a Project Manager. It is a worthwhile certification to have on that count alone. If you have cracked it, then you surely have done well as a Project Manager in the past and learnt a lot as a Manager. Mere cramming won't do. It was my experience which saved me rather than all the cramming.

Final note : I recommend all of you to read Wolfgang’s comment on the post „Preparação para a Certificação PMP“ ( Preparation for the PMP Certification = Vorbereitung für die ZMP-Zertifizierung ). Unfortunately he failed for the second time.

PMP Question - Network Diagram

This post is not going to be presented in german ( sorry Robert ! ) but in english, because I want everyone to understand it. A very similar question come up on my PMP exam ...

Question : "Consider the information below, in which activities A, B, and D are on one path and must be performed in the sequence, and activity C is to be performed parallel to that path. Assuming cost is important, in which sequence should crashing of activities be planned ?
Normal Time : A=4, B=3, C=5, D=5
Crash Time : A=2, B=2, C=4, D=3
Normal Cost : A=10, B=20, C=14, D=25
Crash Cost : A=11, B=22, C=16, D=27
( Time in weeks and amounts on thousand of dollars )

A. A,B,D
B. A,D,B
C. D,B,A
D. A,B,C,D"

Answer :

First of all, Task C is not on the critical path and does not really need to be crashed. The answer is B ( A, D, B ) because :
A: 4-2 = 2 weeks crash => 1K$ increase => 0,5K per week
B: 3-1 = 1 week crash => 2K$ increase => 2K per week
D: 5-3 = 2 week crash => 2K$ increase => 1K per week

So, first you choose A, because it provides you with the best crashing time at the lower cost. Then you have to choose between D and B. If you have to choose sequentially and cost is important, I would choose D because it provides you the most crash time at the lower cost.

This is a tricky question. I'm not quite sure I got it right. I'm 99,999 % sure .... LOL ! Feedback is deeply appreciated.

It's because of this type of questions that I say it's no use studying too much for this certification ... ;)

Questão PMP - Desvio Padrão / Variância

Esta é uma questão de resposta fácil, mas a forma como é apresentada, dá para desconfiar ...

Questão - "The single point standard deviation are 3,5, 10, and 3 for the critical path. What is the standard deviation for the entire path ?"

Resposta :



O "catch" nesta questão era saber que não se podiam adicionar desvios padrão ... Aquilo que é necessário perceber é que o conceito de desvio padrão do Caminho Crítico ( CC ) só faz sentido pela adição de variâncias ! Como se chega a esta conclusão ?
Os desvios padrão que são apresentados correspondem a actividades ( do CC ), logo são estatisticamente independentes, o que significa que o somatório de todas elas dá origem a um distribuição normal. Tratando-se de uma distribuição normal estamos em presença das expressões :

quarta-feira, agosto 30, 2006

Questão PMP - Riscos de Auditoria

Dado não ser possível responder individualmente aos vários mails que me enviaram sobre este tema, aqui vai um "post".

Normalmente quando se fala de riscos de IT, não nos lembramos do "IT Auditing", mas em termos muito concretos lembro-me de algumas questões PMP em que deu jeito ter este conceito "à mão". Quando trabalhei no projecto Y2K, foi uma das áreas mais relevantes. Como Project Manager tive de coordenar um equipa que se ocupou exclusivamente durante 1 mês ( praticamente a tempo inteiro ) de encontrar erros relacionados com os aspectos de auditoria associados ao risco. Atenção que esta análise de risco não incide apenas sobre a aplicação ( ie, na aplicação propriamente dita em tudo o que lhe está relacionado ), mas também sobre o próprio processo de auditoria ! Dai que seja usual separar o risco de auditoria em três tipos distintos de risco :
- risco inerente
( susceptibilidade dos recursos controlados pelo SI serem alterados sem autorização, ou sofrer danos, assumindo que não existem controlos internos relacionados;
- risco de controlo
( risco de um erro materialmente relevante dos dados da empresa não será prevenido
ou detectado e corrigido atempadamente pela estrutura de controlo interno da empresa );
- risco de detecção
( risco de o auditor de IT não detectar um erro materialmente relevante ). O mais lixado ... LOL.

Durante o projecto Y2K, a minha preocupação ia por inteiro para a necessidade de avaliar riscos inerentes e de controlo e, com base nessa avaliação, indicar procedimentos adequados para reduzir o risco de detecção a um nível que, na minha opinião, dava origem a um risco de auditoria global suficientemente baixo. E isso foi conseguido !

Existe dois outros aspectos importantes relacionados com o risco em Gestão de Projectos no âmbito de auditoria e que são : o modelo matemático e os factores que influenciam os diferentes componentes, mas penso que em termos de PMP a relevância não seja alta. SE alguém desejar, posso fazer um "post" com alguns "bitaites".

Perguntas PMP em que se fale de risco de auditoria, penso que isto será suficiente. Se alguém tiver uma pergunta concreta, envie-me um mail e tentarei responder via blog, de modo a estar acessível a todos.

segunda-feira, agosto 28, 2006

Diferenças estruturais entre português e alemão e outras coisas afins

É sabido que o Português não pertence ao mesmo ramo linguístico do alemão, logo o "sistema" translatório entre português e alemão é substancialmente mais complicado que o "sistema" entre inglês e alemão.

Passo a explicar.

Quando se traduz do alemão, as dificuldades em encontrar correspondências aumentam, por comparação com as línguas românicas, pela própria natureza radicalmente diferente dos dois instrumentos linguísticos e suas particularidades estruturais : léxico de raízes distantes, estruturas sintácticas diametralmente opostas, a diversidade das formas gramaticais, a disparidade de ritmos ( em alemão apoiados por traços linguísticos como a variedade e a ductilidade das partículas, a natureza mais sintética da língua e a possibilidade imensa de construir formações vocabulares originais ), as referências culturais distintas, etc.

"Bottom line" : o alemão é uma língua sintética, ao passo que o português é uma língua analítica. "Sistemas" tão díspares não se misturam bem ... Por vezes é necessário encontrar um "sub-sistema" de permeio, que permita fazer uma "conversão" intermédia. Só a partir deste "sub-sistema" é então possível efectuar a tradução para alemão ou vice-versa. Para a gentes da Engenharia de Software, é mais facil de entender estes conceitos em termos da analogia com código-fonte, código-máquina e código-P.

Trata-se de um método equivalente ao usando nas linguagens de programação, em que antes do código-fonte ser convertido para código-máquina tem de ser previamente convertido no chamado "p-code". Este "p-Code" mais não é do que máquina virtual que tem como objectivo a portabilidade ! Nas línguas humanas não existe uma "máquina virtual" equivalente sistémica, ou seja, cada um de nós tem uma "máquina virtual" proprietária, que usamos a nosso belo prazer.

Nalguns dos modelos mais recentes de tradução que são usados na Internet, já se tenta ir nesta direcção, mas ainda sem resultados tangíveis. Falta encontrar a "máquina virtual" linguística ...

sexta-feira, agosto 25, 2006

Faith and the Muse

Convido-os a ouvir com atenção uma das músicas "Failure to Thrive", que foi uma das minhas favoritas no início dos idos anos 90. Alguém se lembra ?

Que tal uma "playlist" com aquilo que se ouvia nessa altura ? Nham-Nham ... Pode ser que saia num dos próximos "posts".

"Tradutorês"

Alguns dos vossos comentários à parte 1 do "post" "As minhas (des)aventuras pela língua alemã" foram viscerais !

Este "post" é especialmente dirigido à Cristina.

O primeiro movimento em direcção ao texto a traduzir deverá ser, em primeira instância, o do reconhecimento do terreno linguístico-gramatical, cultural e literário, da sua topografia própria e dos obstáculos que oferece. Este reconhecimento - que, a não ser feito, implica riscos de vária ordem; quedas, tropeções, desvios, desvirtuamentos na reconstituição - pressupõe, por sua vez, vários níveis de competência translatória. Na minha opinião, o bom tradutor deverá possuir uma série de competências "core", que passo a descrever : competência linguística ( o domínio das duas línguas ), competência especializada ( conhecimento das matérias de que o texto se ocupa ), competência cultural ( capacidade de reconhecer referências de ordem cultural no texto de partida, e de as resolver satisfatoriamente na língua de chegada ), competência de "transferência" propriamente dita ( preparação no âmbito de uma prática de tradução linguística com as suas regras e exigências próprias ).

Os pressupostos fundamentais da tradução entendem-se em íntima dependência destas várias competências. A "tradução" que foge as estes ditames, arrisca-se a ser classificada de "tradutorês". Temos em Português, infelizmente, vários exemplos. Vejam-se algumas traduções que foram feitas para português do Henning Mankell. Tenho pena de não saber dominar a língua sueca, pois existem algumas evidências ( comparação das edições em português, inglês e alemão do livro "Mördare utan ansikte" - "Mörder ohne Gesicht" em alemão, "Faceless Killers" em inglês e "Assassinos sem Rosto" em português ) de que as traduções deste autor sueco para português ( penso que todas na mesma editora ) deixam muito a desejar. Aliás dadas as similitudes da edição portuguesa com a edição inglesa, estou desconfiado que a tradução foi feita a partir do texto inglês ...

Não há tradução que resista ! A questão fundamental quanto a mim reside em saber quantas pessoas estão preocupadas com as traduções das traduções ??? Com o "boom" da literatura escandinava ( e.g, Karin Fossum, Leena Lehtolainen, Arnaldur Indridason, Gunnar Staalesen, Hakan Nesser, etc ) e afins, este tipo de fénomeno cada vez tem maior incidência ( não só em português ! ). Nota-se uma maior ênfase na tradução dos conteúdos e não na literariedade dos textos ( entendo por "literariedade" todo o sub-texto, ou seja, os seus "invisíveis" : ritmos, alusões, denotações, etc, em oposição a uma tradução que incide meramente na superfície do texto )! Este problema agudiza-se de forma natural quando estamos em presença de "traduções de traduções".

Estamos hoje em dia verdadeiramente no reino do "tradutorês" ...

Aguardo os vossos exemplos de "tradutorês" ( BTW, conhecem alguma sueca que possa ajudar ...? )

quarta-feira, agosto 23, 2006

As minhas (des)aventuras pela língua alemã - Parte 1

Não é raro acontecer-me perguntarem-me o que gosto mais de fazer nos tempos livres. Perante a minha resposta invariavelmente simples, "estar com as minhas filhas e a minha esposa" e "ler em alemão", as reacções dividem-se entre a comiseração face a uma catástrofe que não consegui travar a tempo e a admiração à distância, que as tendências excêntricas normalmente despertam. Se me apetece ser particularmente provocador, acrescento deliberadamente "E linguística alemã !", e delicio-me com o resultado. Logo de seguida vem a perplexidade e a desconfiança : "E gostas ?" Mas nem todas as reacções evocam a mesma atitute negativa. Acontece-me também, embora mais raramente, confesso, partilharem do meu gosto pela língua alemã e então sou capaz de divagar sobre a estrutura gramatical, de me divertir com a estrutura frásica, de me surpreender com a eficiência das palavras compostas e de saborear o forte tempero da pronúncia.

O desequilíbrio das reacções à língua alemã e o domínio das apreciações negativas têm muito a ver com os estereótipos construídos à volta da língua alemã.

Conhecer a língua alemã implica, antes de tudo aprendê-la, o que pode ser uma verdadeira aventura : abrir caminho entre as declinações, unir ideias com conjunções, marcar o trajecto com os verbos para no fim do frase não perdermos o início, escalar as construções sinuosas das palavras compostas, sempre acompanhadas por combinações de sons nunca antes ouvidas, é de facto uma experiência marcante, onde o desafio se alia à persistência e as dificuldades são tão importantes como os avanços.

E porque os esterótipos negativos são normalmente o exagero das virtudes, é decerto possível encontrar também razões para, se não gostar, pelo menos compreender a língua alemã. Avaliá-la implica aprendê-la e este é naturalmente um processo moroso ( para quem não a assimilou na infância ! ) : Mark Twain calcula serem necessários trinta anos !!!!! No entanto, se a expectativa de vida ronda as oito décadas, há esperança de ainda o conseguir a tempo !!! eh eh eh

Prometo voltar brevemente a estas deambulações linguisticas ...

Os caminhos da tradução

Obrigado a todos pelos comentários relativos à "tradução" do poema "Der Zauberlehrling" de Goethe. Sim, eu sei que fui temerário ...

Há uns anos lembro-me de ter lido uma crónica do Eduardo Prado Coelho, em que ele afirmava que as intervenções de um político ( de quem não me lembro do nome ), pareciam traduções do alemão. Isto pode ter várias interpretações. Ou as intervenções do senhor em questão seriam confusas ou, então, seriam as traduções feitas a partir do alemão, elas sim, confusas e artificiais ! Não me parece que nenhuma delas seja verdadeira. O alemão é uma língua hiper-estruturada, impositiva, substancialmente diferente de, por exemplo, o inglês ( apesar de provenientes do mesmo tronco linguistíco ).

Isto leva-nos à velha questão : ler no original ou ler uma tradução ( seja ela em português, inglês, etc ) ?

Poderá afirmar-se que há línguas pragmáticas ( inglês ), línguas metafísicas ( alemão ). O alemão é uma língua dúctil e cheia de surpresas, um instrumento que nos disciplina, nos refreia a tendência para a imprecisão, uma língua que se preocupa em dizer o essencial, sem lixo de qualquer natureza.

Ler traduções em português ( seja de língua for ) é arriscarmo-nos a ler outra coisa, que não aquela que o autor verteu para o papel no original ! Além deste facto, acresce dizer que as edições em português são quase sempre mais caras que as originais.

Com isto, não quero dizer que devam ser eliminadas as leituras "traduzidas", mas sim que devemos ter cuidado nas escolhas que fazemos. Duma maneira geral as traduções que são vertidas para o alemão e inglês são de grande qualidade.

Infelizmente em português há "traduções" que o não são !

Das Blog oder der Blog ?



Ja, das ist korrekt João, aber ich habe das Internet nachgeschlagen, und dem Duden ist es egal ( siehe Abbildung rechts ).
Zum grammatischen Geschlecht ist zu bemerken, dass ausschließlich "das Weblog" oder "das Blog" korrekter ist ! Aber "der Blog" ist auch möglich.

Das deutsche Wort, das dahinter steckt, ist wohl das Log(buch), genau wie im Englischen. Das hat seinen Ursprung zwar sicher im altgriechischen "Logos", ist aber ein längst eingedeutschtes Wort.

Die Regeln für die Adaption von Wörtern aus anderen Sprachen sollten also nicht zur Anwendung kommen - bzw. dann schon eher aufs englische Blog angewendet werden.

quinta-feira, agosto 17, 2006

Der Zauberlehrling de J.W. von Goethe



Finalmente atrevi-me a ler ( e a tentar verter para a língua de Camões ) este poema de Goethe que já conheço há alguns anos.
Deste vez decidi ser mais temerário. É para traduzir ! Gosto particularmente deste poema, pois adequa-se ao trabalho de Consultoria, basta ohar com atenção para o título ... LOL !

Ora bem. Sai então uma tradução pessoal do poema "O aprendiz de feiticeiro" de Goethe

Hat der alte Hexenmeister / O velho feiticeiro
sich doch einmal wegbegeben! / finalmente desapareceu !
Und nun sollen seine Geister / E agora o seu espírito
auch nach meinem Willen leben. / viverá também de acordo com os meus desejos.
Seine Wort und Werke / Olhei com atenção para os seus feitiços
merkt ich und den Brauch, / e acções e como usá-los,
und mit Geistesstärke / e com a ajuda do espírito
tu ich Wunder auch. / também farei maravilhas.

Walle! walle / Muralhas ! Muralhas !
Manche Strecke, / Uma distância,
daß, zum Zwecke, / que para as minhas intenções,
Wasser fließe / a água jorrará
und mit reichem, vollem Schwalle / e, com um abundante precipitar de águas
zu dem Bade sich ergieße. / servirá para o banho.

Und nun komm, du alter Besen! / E agora vem cá, sua velha vassoura !
Nimm die schlechten Lumpenhüllen; / despe essas trapos;
bist schon lange Knecht gewesen: / já foste uma serva há tempo suficiente:
nun erfülle meinen Willen! / agora satisfaz os meus desejos !
Auf zwei Beinen stehe, / Aguenta-te firme nas pernas ,
oben sei ein Kopf, / que haja uma cabeça no cimo,
eile nun und gehe / agora apressa-te e vai
mit dem Wassertopf! / com a bacia de água !

Walle! walle / Muralhas ! Muralhas !
Manche Strecke, / Uma distância,
daß, zum Zwecke, / que para as minhas intenções,
Wasser fließe / a água jorrará
und mit reichem, vollem Schwalle / e, com um abundante precipitar de águas
zu dem Bade sich ergieße. / servirá para o banho.

Seht, er läuft zum Ufer nieder, / Vêde, flui para o rio,
Wahrlich! ist schon an dem Flusse, / Concerteza ! já está junto ao rio,
und mit Blitzesschnelle wieder / e, com a velocidade de um raio já está de
/ volta
ist er hier mit raschem Gusse. / aqui com uma rápida enchurrada.
Schon zum zweiten Male! / agora pela segunda vez !
Wie das Becken schwillt! / Como a água sobe na banheira !
Wie sich jede Schale / Como cada bacia
voll mit Wasser füllt! / está cheia de água !

Stehe! stehe! / Pára ! Pára !
denn wir haben / Porque nós temos
deiner Gaben / a noção certa
vollgemessen! / das tuas capacidades
Ach, ich merk es! Wehe! wehe! / Oh, estou a ver ! Ai ! Ai !
Hab ich doch das Wort vergessen! / Esqueci o feitiço !

Ach, das Wort, worauf am Ende / Ah, o feitiço pelo qual finalmente
er das wird, was er gewesen. / se torna novo o que antes era velho.
Ach, er läuft und bringt behende! / Ah ! Corre e suavemente traz mais !
Wärst du doch der alte Besen! / Se tu fosses a velha vassoura !
Immer neue Güsse / Depressa traz
bringt er schnell herein, / mais e mais baldes de água,
Ach! und hundert Flüsse / Ah ! e cem rios
stürzen auf mich ein. / precipitam-se sobre mim.

Nein, nicht länger / Não, não posso permitir
kann ichs lassen; / que isto continue;
will ihn fassen. / Tenho de a apanhar.
Das ist Tücke! / Isto é malícia !
Ach! nun wird mir immer bänger! / Ah, estou a ficar cada vez mais assustado !
Welche Mine! welche Blicke! / Que expressão ! Que visão !

O du Ausgeburt der Hölle! / Oh, filha do diabo !
Soll das ganze Haus ersaufen? / Será que toda a casa será inundada ?
Seh ich über jede Schwelle / Apesar de tudo, já vejo riachos de água
doch schon Wasserströme laufen. / a ultrapassar cada entrada.
Ein verruchter Besen, / Uma vassoura malvada,
der nicht hören will! / que não obedece !
Stock, der du gewesen, / Fica tu que eras,
steh doch wieder still! / não ficas quieta de uma vez ?

Willst am Ende / Finalmente
gar nicht lassen? / não desistes ?
Will dich fassen, / Vou apanhar-te,
will dich halten / Vou agarrar-te
und das alte Holz behende / e rachar a madeira velha
mit dem scharfen Beile spalten. / com este machado afiado.

Seht da kommt er schleppend wieder! / Olha, aqui vem ela a acarretar mais água !
Wie ich mich nur auf dich werfe, / Assim que saltar sobre ti,
gleich, o Kobold, liegst du nieder; / tu duende, serás vencido de uma vez;
krachend trifft die glatte Schärfe. / com um barulho esta ponta afiada acerta-te.
Wahrlich, brav getroffen! / Certamente ! Um tiro certeiro !
Seht, er ist entzwei! / Olha, está cortada em dois !
Und nun kann ich hoffen, / E agora só posso esperar,
und ich atme frei! / e respiro livremente de novo !

Wehe! wehe! / Ai ! Ai !
Beide Teile / Ambas as partes
stehn in Eile / rapidamente se levantam
schon als Knechte / erguem-se de novo,
völlig fertig in die Höhe! / completas, como servas !
Helft mir, ach! ihr hohen Mächte! / Ah ! Ajudem-me, poderes divinos !

Und sie laufen! Naß und nässer / E elas correm ! Molhadas e cada vez mais
molhadas
wirds im Saal und auf den Stufen. / transformam-se nos aposentos e nas escadas.
Welch entsetzliches Gewässer! / Que terrível enchurrada !
Herr und Meister! hör mich rufen! - / Senhor e Mestre ! Ouve-me chamando por ti ! -
Ach, da kommt der Meister! / Ah, aqui vem o meu mestre !
Herr, die Not ist groß! / Senhor, o perigo é grande !
Die ich rief, die Geister / Os espíritos que invoquei
werd ich nun nicht los. / Agora não consigo livrar-me deles.

"In die Ecke, / "Para o canto,
Besen, Besen! / vassouras, vassouras !
Seids gewesen. / Já não são o que eram.
Denn als Geister / Porque como espíritos,
ruft euch nur zu diesem Zwecke, / para tal objectivo, apenas o velho mestre
erst hervor der alte Meister." / vos invocará de novo."

Ufa ! Comentários para o mail habitual.

Preparação para a certificação PMP




A pedido de várias familIas cá vai então um comentário sobre o livro que considero ter sido fundamental para a certificação PMP. Não, não foi o PMPBoK v3 ... Durante a preparação apenas li o PMBoK v3 uma vez, pois pareceria mal fazer a certificação e não o ler pelo menos uma vez LOL ! Quem conhece o PMBoK sabe do que estou a falar. Este livro por se tratar de uma obra de referência, não é de todo adequado para a preparação PMP. Para isso precisamos de um documento secundário, ie, algo que "mastigue" a informação do PMBoK e que simultaneamente forneça algo mais ( como se sabe, o PMBoK não tem toda a informação necessária para o PMP ).

Na altura pedi informação a várias pessoas. Várias pessoas me recomendaram o livro "Das PMP-Examen" de Thomas Wuttke e Peggy Gartner ( das 12 pessoas, que directa ou indirectamente me recomendaram o livro nenhuma delas chumbou !! ). Infelizmente é um livro alemão ...

Numa escala de 1 a 6 dou "5" ( só não dou "6", pois a vertente prática podia ser estar mais desenvolvida. Cada "Knowledge Area" tem apenas 10 exercícios, o que é manifestamente pouco, dadas as características da certificação. Isto significa que este livro tem de ser complementado com mais "qualquer coisa", seja ela um curso ou um livro de características mais pragmáticas ).

Apesar de ter uma vertente prática ( leia-se exercícios ) pouco pronunciada, não se trata de um livro de matiz meramente teórica ! Na minha opinião a mais-valia do mesmo reside na mescla entre teoria e prática. A explanação assenta no PMBoK v3, mas sem perder de vista que nos estamos a preparar para uma certificação PMP, ou seja, estão sempre presentes na linha de horizonte questões práticas, com as quais temos de nos defrontar no exame !

O livro tanto pode ser lido de fio-a-pavio, como ter uma abordagem "toca-e-foge" ( ie, ler apenas alguns capítulos ). De todas as áreas PMP, considero que os capítulos de Procurement e Qualidade estão mesmo lá "em cima" ( quem tiver dúvidas ler documento sobre "lessons learned PMP" que está "postado" no meu site ). O capítulo de EVM também está bastante bom, pois não se limita a apresentar as respectivas fórmulas. À boa maneira alemã, é feito um enquadramento teórico e depois disso deixa de fazer sentido falar em memorização do que quer que seja ...

Um outro pormenor importante assenta no facto dos autores partirem do princípio de que os leitores têm experiência prévia de PM, ie, quem tiver pouca ou nenhuma experiência de PM tem de procurar outras fontes. Este livro tem como linha-mestra a preparação para a certificação PMP, ou seja, não pretende ensinar Gestão de Projectos ! "Tips-and-tricks" ... you know what I mean !

"Bottom-Line" : quem tem experiência de PM pode e deve usar este livro. The Others must look elsewhere. A sensação com que fiquei após a certificação é a de que não vale apena memorizar nada ... ( vidé documento de "lessons learned PMP" que está no site ). Toda a gente que conheço, que optou pela via da memorização do PMBoK, não obteve a certificação ...

Questões enviar para o mail habitual.

Saudações PMP

domingo, agosto 06, 2006

My Star Rating System


Before there were Book Platforms (e.g., GR's, i.e., before 2006) I already had "me" own rating system, and it comprised 6 levels instead of 5. The level "6" was aimed at my desert island bookshelf... When I started using book repositories on the Internet, I had to change the way I rated books. Because of that I had to lower my "scale" one step down, i.e., my "6" transformed into a "5", my "5" transformed into a "4", my "4" changed into a "3", my "3" was a "2", my "2" was a "1", and my "1" was a still "1".

I came to realize there was not much point in detailing the lower rungs of my scale. I was quite comfortable by just giving my "2s" and "1s" a "1" in terms of book plataforms.

Back in the day I statistically studied this stuff, and I came to the conclusion that my star rating system was not really about quality, but rather it was about what I wanted to do with the books I'd read. For that I only needed a binary system ("1" for books to take to the desert island; "0" for books to leave behind). Later on I realized this binary system would not be quite enough. Why? Because I'd to tell apart the merely good from the really wondrous so that they could be prioritized (e.g, because the bookbag I'm taking to my desert island has a 25Kg limit...).

sábado, agosto 05, 2006

O que ando a ler




Recomendo vivamente para quem não tem medo de física. "Albert Einstein: a Biographie" de Albrecht Folsing. Classificação actual = 6/6 ( no fim actualizo :) )

"Das Versprechen" de Friedrich Dürrenmatt

"Das Versprechen" de Friedrich Dürrenmatt, edição "Süddeutsche Zeitung" ( Jan. 2006 )

Esta é uma história de obsessão, gerada por uma promessa feita num ambiente especial, com a morte a pairar sobre os intervenientes. O inspector Matthäi, ao prometer descobrir o assassino daquela criança, promete também que irá continuar a ser polícia, mesmo depois da sua reforma. É dramática a forma como o livro nos transporta, calmamente, para o universo interior de um homem destroçado pela possibilidade de deixar aquela jura por cumprir, assombrado pela possibilidade de a sua vida perder sentido a partir do momento em que deixa de ser detective. E é essa angústia que o conduzirá à demência, num final assombroso em que descobrimos que a busca incessante por um objectivo pode levar à perda da sanidade, à perda da razão. No final entendemos que para conseguir apanhar o assassino, Matthäi tornou-se num ser humano execrável, manipulador, envergando a máscara da falsidade e da ilusão. A perseguição, a obsessão de cumprir a promessa é aquilo que o mantém vivo. O assassino, esse, acaba por perder a vida num inferno de chamas. O polícia perde a honra, a sanidade e a razão de viver. Quem perdeu mais? Ficamos com esta questão em aberto, mas uma coisa é certa, “Das Versprechen” é um livro grandioso, fundamental para compreendermos que a Literatura ainda pode evoluir no bom sentido, longe de formas ocas.
"Das Versprechen» não é um drama familiar, não é um policial. "Das Versprechen" é, diria, de forma incontestável, um drama psicológico. É um livro que se atreve para além das fronteiras de si mesmo e nos revela um ensaio precioso sobre a loucura. Uma espécie de teorização de como a tenacidade de alguém e a incompreensão alheia sobre si e sobre as suas motivações pode levar à perda da razão, à completa alienação. Mas o comissário Matthäi – o detective de homicídios de uma pequena cidade na Suiça ( "einen Kuhdorf in der Schweiz" ) que, a despeito da chegada da sua reforma e da desaprovação do seu anterior chefe, resolve prolongar o seu trabalho para cumprir a promessa aos pais da menina encontrada morta no dia da festa da sua retirada de encontrar o assassino da filha - é apenas o veículo para a dissertação sobre algo bem mais vasto que uma simples investigação policial.
Passados 50 anos sobre a publicação original desta grandiosa obra, a mesma não perdeu ( ainda ) toda a sua actualidade.
Aquilo que Dürrenmatt oferece ao leitor é algo de extraordinário. Com um estilo linguístico vivido e insistente, consegue que o leitor obtenha uma enorme satisfação, ao retratar a história e os personagens como se estivessemos lá !
Para quem ache que vai ler um policial desengane-se. Aqui trilham-se outros trilhos ... Quem quiser um policial aconselho-o a ir para outras paragens ! Não sei se existe tradução em português ou inglês desta magnífica obra. Quem tiver a possibilidade, deverá optar pela obra no original, pois linguisticamente trata-se de uma obra de cariz bastante sui-generis. Num próximo post irei abordar esta obra de um ponto de vista linguístico ( Wolfgang, du bist dran ! ) ...

Classificação final = 6/6 ( para quem ainda não sabe, só dou "6" aos livros do "outro mundo". "5" é para os livros muitíssimos bons, mas sem atingir o nirvana ).

sexta-feira, agosto 04, 2006

It was one of those days !

Es war ein Scheisstag ! DER MOST BESCHISSENE TAG IN MEINEM BISHERIGEN LEBEN! Siehe Tagebuch !